O deputado Nelson Leal (PSL), o mais votado em Macaúbas nas eleições de 2010, encaminhou à Mesa Diretora da Assembleia uma moção de congratulações pela passagem do aniversário de emancipação política do município macaubense, que acontece neste 6 de julho (sábado). Os primeiros habitantes desta cidade foram os índios pertencentes ao grupo dos tupinambás. Existem vários sítios arqueológicos em todo o município.

A formação de Macaúbas começou em meados do século XVII, no lugar chamado Coité, quando ali chegaram os primeiros brancos e ergueram uma capela em louvor a Nossa Senhora da Imaculada Conceição, ainda hoje padroeira do município. Eram bandeirantes que transitavam pelo rio São Francisco em busca de ouro e pedras preciosas. A povoação formou-se em terras pertencentes ao município de Urubu (Rio Branco, hoje, Paratinga), do qual foi desmembrado em 1832 para constituir município independente, com o topônimo de Macaúbas, por decreto estadual de 6 de julho 1832, que também elevou a sua sede à categoria de vila. O início do seu funcionamento ocorreu em 23 de setembro de 1833.

Com o crescimento do povoado, o curato da primitiva capela passou a ser a freguesia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição de Macaúbas, promovida pela Lei Provincial nº 124, de 19 de maio de 1840. Pela lei estadual nº 1.761, de 10 de junho de 1925, Macaúbas foi elevada à categoria de cidade e sede do município, ao qual foi incorporado o território do extinto município de Bom Sucesso (atual Ibitiara), já emancipado.

O município, situado na região central da Bahia, na chamada Zona Fisiográfica da Serra Geral, Chapada Diamantina Meridional, vive basicamente da agropecuária, sendo a agricultura composta quase totalmente de lavouras de pequeno porte e de subsistência, contando a zona rural com cerca de 8 mil pequenas propriedades rurais, as quais produzem basicamente o feijão catador vendido para o Norte/Nordeste do país.

Anúncios